TEMER perdoa mais de 62 bilhões em dívidas de empresários
Temer apesar de rombos de caixa, concede renuncias fiscais escandalosas
Temer apesar de rombos de caixa, concede renuncias fiscais escandalosas
Ricky Rocha Por Ricky Rocha 13/03/2018
    Compartilhe:

O País esta tentando se reelguer de uma severa crise, com a economia engatinhando, e muitas pessoas desempregadas ou na informalidade. este é o quadro atual do Brasil. 

Apesar desta situação e de tanto se alardear sobre um grande rombo fiscal, o governo Temer concedeu um perdão no último parcelamento de débitos tributários, o Refis, que deve chegar a R$ 62 bilhões, quase o dobro do que havia sido previsto pela Receita Federal. O programa chegou a conceder descontos de 70% para multas e de 90% para juros, incentivando maior adesão.

Seria de se esperar que o governo federal estivesse fazendo todos os esforços possíveis para economizar até os últimos centavos. Mas isso só é válido para  o povo. porque na hora de esfolar a população e cortar gastos sociais, o governo "pega pesado".  Para nós, juros e reformas. Para eles, perdão de dívidas.

A justificativa para ampliar os descontos foi absurda: o Congresso afirmou que o objetivo era dar condições aos empresários afetados pela crise regularizarem sua situação com o Fisco para conseguirem se reerguer. Enquanto isso, os trabalhadores e a juventude seguem com o aumento exponencial da inflação, com a retirada de direitos, com a aprovação de reformas que destroem os direitos trabalhistas e com o endividamento com os cotidianos custos de vida. 

Em agosto de 2017, a previsão da Receita era de que a renúncia chegasse a R$ 35,1 bilhões ao longo dos 15 anos de parcelamento. Ao longo de 2017, parlamentares com dívidas com o Fisco fizeram muita pressão para que o governo melhorasse as condições do Refis.

O governo acabou cedendo, de olho na reforma da previdência, mas que no final acabou sendo revogada. No fim, Temer faz concessões de bilhões para os empresários se reerguerem, mas desconta a crise toda nas costas dos trabalhadores e da juventude.

A Receita já identificou que muitos contribuintes que aderiram ao parcelamento preferiram o pagamento à vista – o que revela não haver dificuldade no caixa (ou, se houvesse, parcelariam a dívida em até 15 anos, mas na verdade eles apenas queriam descontos mesmo, e assim conseguiram). Assim, foi registrado quase R$ 8 bilhões em receitas com o Refis, metade desses pagamentos à vista.

O que se conclui é que, no Brasil, não é negocio pagar seus impostos em dia, e sim, posterga-los ate que o governo dê um desconto de proporções indecentes, para só então os empresários quitarem suas dívidas. 

Pelo visto a Previdência vai pelo mesmo caminho, grandes empresas como a própria FRIBOI - JBS, devem valores escândalosos, não pagam, ostentam e ainda pegam empréstimos no BNDES. 

Comente com o facebook

Publicidade