Roger Waters do Pink Floyd é vaiado por mais de 40 mil pessoas após tentar falar Ele não
Roger Waters chama Bolsonaro de neofascista e plateia o vaia intensamente durante espetáculo em SP
Roger Waters chama Bolsonaro de neofascista e plateia o vaia intensamente durante espetáculo em SP

Créditos do fotógrafo Reprodução

Daiane Siquelli Teófilo Por Daiane Siquelli Teófilo 10/10/2018
    Compartilhe:

Em seu show na noite desta terça-feira (9) em São Paulo, o ex-integrante da banda inglesa de rock Pink Floyd, Roger Waters, exibiu no telão sobre o palco mensagens de alerta à onda fascista que ocorre em vários países do mundo, incluindo o Brasil e o candidato a presidente Jair Bolsonaro.

Em reportagem, o jornal Folha de S.Paulo afirma que, durante a execução da música "Eclipse", já perto do encerramento do show, as palavras "#ELE NÃO" foram exibidas no telão. "A reação foi ensurdecedora. As quase 40 mil pessoas no estádio produziram muitas vaias".

Nos arredores da pista premium a resposta veio em vaias e no coro de “Fora PT”. Segundo relatam alguns que estavam mais próximos às saídas do estádio, várias pessoas deixaram o show antes do fim. Além disso o músico foi impedido de falar diversas vezes, com gritos ensurdecedores e xingamentos. Quando finalmente conseguiu falar, o pouco que se ouviu foi:  "Sou contra o ressurgimento do fascismo. E acredito nos direitos humanos. Prefiro estar em um lugar em que seu líder não acredita que a ditadura é uma coisa boa. Lembro das ditaduras da América do Sul e não foi legal."

Pouco depois, o músico revelou que esperava pela reação por conta do Brasil ser um país tão passional — e vale lembrar que Waters já foi vaiado em alguns shows nos Estados Unidos por sua crítica a Trump.

Comente com o facebook

Publicidade