Médico do Congo e ativista dos direitos humanos são premiados em prêmio Nobel da Paz
Na luta contra violência sexual como arma de guerra
Na luta contra violência sexual como arma de guerra

Créditos do fotógrafo Reprodução

Daiane Siquelli Teófilo Por Daiane Siquelli Teófilo 05/10/2018
    Compartilhe:

O prêmio Nobel da Paz de 2018 foi concedido nesta sexta-feira (5) ao médico congolês Denis Mukwege e à ativista yazidi Nadia Murad por seus esforços contra o uso de violência sexual como arma de guerra.

Ao anunciar a premiação, o comitê do Nobel afirmou que o ginecologista Mukwege, da República Democrática do Congo, tem sido "o símbolo principal e mais unificador tanto nacional quanto internacionalmente da luta para pôr fim ao uso de violência sexual em guerras e conflitos armados". 

Nadia Murad, membro da minoria religiosa yazidi no Iraque, foi capturada pelo Estado Islâmico em 2014, estuprada repetidamente e sujeitada a outros abusos. Segundo o comitê, ela demonstrou "coragem incalculável ao recontar seu próprio sofrimento".

A ONU celebrou o "anúncio fantástico, que ajudará a fazer avançar o combate contra a violência sexual como arma de guerra nos conflitos".

"É uma causa muito importante para as Nações Unidas", afirmou a porta-voz da ONU em Genebra, Alessandra Vellucci.

A premiação ocorre após um ano em que o abuso de mulheres esteve no centro do debate internacional. Questionada sobre o movimento Me Too inspirou a premiação deste ano, Reiss-Andersen afirmou: "Me Too e crimes de guerra não são exatamente a mesma coisa. Mas eles têm em comum o fato de verem o sofrimento das mulheres, o abuso a mulheres, e é importante que mulheres deixem para trás o conceito de vergonha e falem."

O prêmio em 2018 é de 9 milhões de coroas suecas, o equivalente a US$ 1,01 milhão ou R$ 3,9 milhões. No ano passado, o premiado foi a Campanha Internacional para Abolir as Armas Nucleares. 

A premiação será entregue em Oslo em 10 de dezembro, aniversário da morte do industrial sueco Alfred Nobel, que criou a premiação em seu testamento, em 1895.

Comente com o facebook

Publicidade