Judoca brasileira é pega no antidoping e pode perder Olimpíada
Judoca terá julgamento para saber se perderá ou não chance olímpica
Judoca terá julgamento para saber se perderá ou não chance olímpica
Caio Machado Por Caio Machado 29/01/2019
    Compartilhe:

Jéssica Pereira teve um resultado analítico adverso para furosemida, um diurético. Ela foi testada em setembro e está suspensa voluntariamente. Aos 24 anos, a carioca é da categoria até 52 kg e considerada como uma das grandes revelações do país hoje

"A Confederação Brasileira de Judô está ciente e acompanhando os processos legais referentes à suspensão preventiva da atleta Jéssica Pereira", disse a CBJ em nota.

Quem está cuidando do caso é Marcelo Franklin, advogado especialista em casos de doping e que conseguiu a absolvição do nadador César Cielo. "Acredito que em minha defesa conseguirei demonstrar a ausência de culpa da atleta e o uso não intencional. Nunca se sabe o resultado de um julgamento, mas encaro o caso dela com um certo otimismo quanto ao resultado final", explicou.

"Eu não costumo comentar questões específicas sobre casos em andamento, até porque todo o procedimento corre em segredo de Justiça. O que posso adiantar é se tratar de uma atleta de conduta totalmente exemplar, que a substância encontrada é classificada apenas como especificada (menor probabilidade de uso relacionado com performance esportiva), que em respeito ao Tribunal a atleta se colocou em suspensão voluntária até o julgamento e que existem circunstâncias bastante atenuantes para o caso dela."

Por estar suspensa, Jéssica não está participando do treinamento da seleção brasileira em Pindamonhangaba, no interior de São Paulo. No ano passado, ela conquistou o quinto lugar no Mundial de Judô, quando foi derrotada pela brasileira Érika Miranda na disputa da medalha de bronze. Só que Érika se aposentou dos tatames e deixou o caminho livre para Jéssica, uma atleta que poderia ter um bom desempenho nas competições internacionais.

Jéssica aguarda seu julgamento, que leva de seis meses a um ano. Se for suspensa, o período que ficará fora de combate conta a partir do momento que assumiu sua suspensão voluntária. Se for absolvida, poderá voltar a competir. O mais importante é que ela precisa ter uma decisão rápida pois 2019 é um ano importante para classificação olímpica para os Jogos de Tóquio, em 2020, através de pontos no ranking mundial.

Comente com o facebook

Publicidade