Governo autoriza abate de capivaras em Sorocaba
Foi autorizado o abate de aproximadamente 40 roedores após morador morrer por febre maculosa em janeiro do ano passado. Doença é transmitida pelo carrapato-estrela, que tem a capivara como hospedeira
Foi autorizado o abate de aproximadamente 40 roedores após morador morrer por febre maculosa em janeiro do ano passado. Doença é transmitida pelo carrapato-estrela, que tem a capivara como hospedeira
Ricky Rocha Por Ricky Rocha 18/06/2019
    Compartilhe:

As capivaras que vivem em um condomínio residencial em Itatiba (SP) começaram a ser atraídas para uma armadilha na manhã desta terça-feira (18). Fotos enviadas em grupos de aplicativo de mensagens, feitas por moradores, mostram os animais dentro de um cercado onde foram colocados pedaços de cana-de-açúcar.

As capivaras foram atraídas para serem abatidas. O condomínio foi autorizado pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente a abater os roedores depois que um morador morreu por febre maculosa em janeiro do ano passado.

A febre maculosa é transmitida pelo carrapato-estrela, que tem a capivara como hospedeira. A decisão virou motivo de polêmia na cidade e órgãos de proteção animal recorreram ao Ministério Público.

 

Mesmo assim, segundo moradores do condomínio, integrantes da Secretaria de Meio Ambiente estão no condomínio nesta terça-feira para retomar o abate dos animais. Das cerca de 40 capivaras que vivem no condomínio, 13 tinham sido abatidas até segunda-feira. Nesta terça o número aumentou para 20.

 

A aposentada Sueli Fassio é moradora do condomínio há 22 anos e é contra o abate das capivaras — Foto: Reprodução/TV TEM

De acordo com a moradora do condomínio há 22 anos, a aposentada Sueli Fassio, de 71 anos, a Secretaria de Meio Ambiente está prosseguindo com a eutanásia dos animais.

"O Brasil precisa parar de ser hipócrita. Elege a capivara como símbolo da Copa América, mas um órgão do governo vai lá e autoriza essa matança. Não podemos sair matando um animal assim. A saúde pública é importante, mas há outras formas de controlar a doença sem sair matando um monte de animal assim", opina.

 

A SITUAÇÂO

Um morador do condomínio morreu por febre maculosa em janeira do ano passado. Depois disso, os órgãos estaduais determinaram que, pelo local ser uma área de transmissão da doença, fosse feita a eutanásia de todas as capivaras do condomínio.

Mas a decisão virou polêmica entre os órgãos de proteção animal e até entre os moradores da região. O veterinário Paulo Anselmo Felippe, que estuda manejos de capivaras, disse que a castração e a esterilização são as práticas mais adequadas. Ele explica que a bactéria fica cerca de 15 dias no organismo do animal e, depois disso, ela nunca mais aparece no sangue.

"Porque o sistema imunológico dela se organiza e ela não vai ter mais essa riquetsemia, essa bactéria circulando. Então, ela não infecta novos carrapatos. Sempre que a riquétsia circulou naquela população, você retira os animais e vêm novos, vai acontecer riquetsemia nesses novos, porque eles não tiveram contato anterior com a bactéria".

 

A diretora da Secretaria do Meio Ambiente - órgão que autorizou a eutanásia dos animais - Vila Geraldi, disse que é contra o argumento do veterinário.

De acordo com a Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, abates como esse já foram autorizados em condomínios fechados de outras sete cidades. O órgão disse também que levar os animais para outro local não é uma alternativa viável, porque, fazendo isso, só mudaria a área de transmissão da doença.

"O critério é o do risco da saúde pública e esse critério é previsto na constituição federal e estadual. Embora ele seja um animal silvestre, que tem toda a proteção, se ele tem essa condição de risco à saúde pública, nós temos que analisar a situação e ver o que temos que fazer para que esse risco deixe de existir. Não podemos ignorar esse risco", frisa a diretora da Secretaria do Meio Ambiente.

Comente com o facebook

Publicidade