Golpe no WhatsApp promete liberar auxílio de R$ 1,2 mil do governo
As mensagens fraudulentas compartilhadas têm links maliciosos que direcionam para supostas páginas oficiais
As mensagens fraudulentas compartilhadas têm links maliciosos que direcionam para supostas páginas oficiais
Caio Machado Por Caio Machado 31/03/2020
    Compartilhe:

Algumas mensagens têm sido compartilhadas via WhatsApp prometendo facilitar a liberação do auxílio emergencial de R$ 1,2 mil durante o período de quarentena para evitar a disseminação do coronavírus. Porém, o governo federal alerta que se trata de um golpe.

As mensagens fraudulentas compartilhadas têm links maliciosos que direcionam para supostas páginas oficiais nas quais o interessado em receber o benefício deve preencher um questionário. Independentemente das respostas, o internauta é avisado, ao final, que tem direito ao auxílio emergencial, cujo valor pode chegar a R$ 1,2 mil.

Depois de finalizar o cadastro, o visitante é incentivado a enviar o link para dez pessoas da sua lista de contatos ou para grupos no app de mensagens, com a finalidade de confirmar que não é um robô. Após essa etapa, os golpistas prometem enviar o número de protocolo para a retirada do auxílio financeiro, o que obviamente não acontece.

O site falso ao qual o usuário é direcionado traz ainda supostos comentários de pessoas que teriam obtido o benefício, na tentativa de demonstrar a veracidade do serviço e fazê-lo prestar as informações solicitadas — nome, CPF, endereço, RG e outros.

 

Como se proteger do golpe

Ao receber mensagens como essa no WhatsApp, a primeira coisa a fazer é desconfiar, sempre, principalmente quando vierem de pessoas desconhecidas e trouxerem ofertas miraculosas e imperdíveis.

Não clique nos links contidos nas mensagens, nunca preencha cadastros e formulários com seus dados pessoais e financeiros nem compartilhe com familiares e amigos. Evite, ainda, fazer o download de apps sugeridos nelas.

Outra dica é procurar os canais oficiais dos órgãos citados, para confirmar a veracidade das informações.

Comente com o facebook

Publicidade