Faltam detalhes para o trem turístico Rio-Minas começar a funcionar
Outras seis cidades estarão na rota do passeio:
Outras seis cidades estarão na rota do passeio:
Ricky Rocha Por Ricky Rocha 28/04/2019
    Compartilhe:

Apenas o fim das reformas e minúcias burocráticas impedem o trem turístico que fará o percurso Rio-Minas Gerais de começar a funcionar. O transporte interestadual percorrerá 160 km por oito cidades, partindo de Três Rios, no estado do Rio, até Cataguases – na Zona da Mata mineira.

Outras seis cidades estarão na rota do passeio: Leopoldina, Recreio, Volta Grande, Além Paraíba e Chiador, em Minas; e Sapucaia, no Rio de Janeiro.

“O Projeto Rio Minas tem total apoio do Ministério Público Federal de Minas Gerais, Vale S.A, VLI, Ministério dos Transportes, DNIT, ANTT e das prefeituras participantes do projeto. Para iniciar o projeto, estamos aguardando o término da reforma e algumas questões burocráticas”, contou Cyntia Nascimento, atual presidente da ONG Amigos do Trem.

A ONG Amigos do Trem está à frente do projeto. Os passeios serão realizados aos sábados, domingos e feriados, e terão 6 horas de duração. Os trens poderão transportar até 850 passageiros por dia. As composições vão sair, simultaneamente, de Três Rios e Cataguases. Os usuários poderão fazer o trajeto completo de ida e volta ou retornar para a origem trocando de trem na metade do caminho.

“O funcionamento, as paradas e tempo de percurso estimado será confirmado quando os testes operacionais estiverem ocorrendo. Além disto, dependerá dos atrativos de cada município. Hoje as prefeituras, comerciantes, artesãos, rede hoteleira, dentre outros, estão se preparando para receber a grande demanda de turista do Trem Rio Minas”, destacou Cyntia.

A Secretaria de Estado de Transportes do Rio de Janeiro informa que não tem participação neste processo. O Trem Rio-Minas é um projeto de trem turístico que conta com o apoio da iniciativa privada.

O projeto foi idealizado e realizado por Paulo Henrique do Nascimento, que é o fundador da ONG Amigos do Trem. Paulo Henrique faleceu em novembro de 2018, sendo assim, a ONG passou a ser presidida por Cyntia Nascimento. A Amigos do Trem não tem nenhum vinculo com prefeituras e estados e informa que qualquer dúvida sobre o projeto deve ser tirada com eles, em sua página no Facebook.

 

 

Cyntia acredita que o investimento em transporte ferroviário seria ótimo para o país: “O modal ferroviário é bastante utilizado, mas não tanto quanto o rodoviário. Infelizmente o governo não investe tanto em ferrovia. Realizando uma comparação com o transporte rodoviário, é importante ressaltar que a ferrovia proporciona baixo custo, baixo índice de acidentes, menor poluição, contenção dos problemas referentes ao trânsito, bem como furtos e roubos. Além disso, este tipo de modal permite transportar grandes quantidades de produtos, além da variedade. Em relação ao transporte ferroviário de turista ou passageiros, podemos ressaltar também o aspecto econômico. Comparado ao modal rodoviário, o custo do ferroviário é inferior. Se caso houvesse um investimento na malha ferroviária, o Brasil certamente se destacaria. A construção e revitalização das ferrovias demanda tempo, investimento e planejamento de governo. Uma malha ferroviária ativa, abundante e interligada levaria benefícios para os comerciantes e produtores, bem como na fomentação das exportações e escoamento de produtos”.

Comente com o facebook

Publicidade