Edwin Straver morre aos 48 anos, uma semana após acidente no Dakar
Edwin Straver não resistiu ao grave acidente de moto sofrido na 11.ª e penúltima etapa, no último dia 16, e morreu É o segundo piloto a perder a vida na prova de 2020
Edwin Straver não resistiu ao grave acidente de moto sofrido na 11.ª e penúltima etapa, no último dia 16, e morreu É o segundo piloto a perder a vida na prova de 2020
Ricky Rocha Por Ricky Rocha 24/01/2020
    Compartilhe:

O piloto holandês, que sofreu uma queda no dia 16 de janeiro, na penúltima etapa do Rally Paris Dakar 2020 (a 11ª), e estava em estado crítico no hospital, acabou por não resistir. A morte foi anunciada na página de Facebook da Holeshot.

É a segunda vítima mortal da prova deste ano, que se realizou pela primeira vez na Arábia Saudita, depois da morte do português Paulo Gonçalves, cujo funeral se realiza esta sexta-feira em Esposende.

Straver participava do Rally Dakar pela terceira vez, sempre nas motos. O holandês é o 30.º competidor morto desde a primeira edição do rali, em 1979. Curiosamente, o criador da competição, Thierry Sabine, foi uma das vítimas da prova, mas não por estar competindo, mas sim em uma queda de helicóptero durante uma tempestade de areia no deserto do Saara, em 1986. Até hoje, somando competidores, espectadores e membros de apoio, 75 pessoas morreram no Dakar.

Na 11.ª etapa do Dakar, após o acidente de Straver, o piloto português Mário Patrão (KTM) foi o primeiro a parar e a chamar ajuda para auxiliar o holandês, vencedor da categoria Original by Motul em 2019 para amadores, que foi encontrado inanimado ao quilómetro 120 dos 379 previstos.

"Estava a ir no meu ritmo e ao quilómetro 120, enquanto estava a tentar encontrar um waypoint [ponto de passagem obrigatória], vi um piloto caído, chamei de imediato a equipa médica e estive a prestar auxílio até à sua chegada. Senti a pulsação no pescoço dele assim que me aproximei, mas, de repente, deixei de sentir", contou o motociclista de Seia no final da tirada.

Edwin Straver, de 48 anos, teve uma parada cardíaca durante dez minutos, antes de ser reanimado pelos médicos da prova, que chegaram ao local. "Foram os 10 minutos mais longos da minha vida", confessou Mário Patrão, que só saiu "quando o entubaram e o levaram".

O piloto holandês foi transportado de helicóptero para o hospital, onde lhe foi detectada uma vértebra partida situada na parte superior do pescoço. Ficou em estado crítico, mas não resistiu, tendo agora sido declarada a sua morte.

Paulo Gonçalves morreu no dia 12 de janeiro, aos 40 anos, na sequência de uma queda sofrida ao quilómetro 273 da sétima de 12 etapas do Rali Dakar de todo-o-terreno. O funeral do piloto realiza-se esta sexta-feira.

Comente com o facebook

Publicidade