Dodge arquivou anexos da delação de Léo Pinheiro sobre ministros do STJ e do TCU
Na última quarta-feira, seis procuradores do grupo de trabalho da Lava Jato apresentaram demissão coletiva por discordarem da decisão de Dodge sobre o arquivamento dessas acusações, antes da apreciação do ministro Edson Fachin.
Na última quarta-feira, seis procuradores do grupo de trabalho da Lava Jato apresentaram demissão coletiva por discordarem da decisão de Dodge sobre o arquivamento dessas acusações, antes da apreciação do ministro Edson Fachin.
Ricky Rocha Por Ricky Rocha 06/09/2019
    Compartilhe:

A Procuradora Geral do Brasil, que esta terminando seu mandato agora em Setembro, segundo o site o Antagonista apurou, ela teria arquivado 5 dos mais de 100 anexos da delação premiada de Léo Pinheiro.

A procuradora-geral Raquel Dodge determinou o arquivamento sumário de cinco deles – todos muito bem fundamentados.

Além de Rodrigo Maia e do irmão de Dias Toffoli, teriam sido citados ministros do STJ e do TCU.

Em janeiro, a Folha publicou que um dos delatados pelo ex-presidente da OAS seria o ministro Humberto Martins, atual corregedor-geral do CNJ. Ele teria recebido R$ 1 milhão, por meio do escritório do filho Eduardo Martins.

No caso do TCU, o ministro enrolado seria Aroldo Cedraz, também delatado por Ricardo Pessoa da UTC.

O STF iniciou em agosto julgamento de Cedraz em relação ao recebimento de denúncia por tráfico de influência.

Na última quarta-feira, seis procuradores do grupo de trabalho da Lava Jato apresentaram demissão coletiva por discordarem da decisão de Dodge sobre o arquivamento dessas acusações, antes da apreciação do ministro Edson Fachin.

Comente com o facebook

Publicidade