Bolsonaro afirma que vai transferir a embaixada para Jerusalém até 2021
Bolsonaro seguirá Donald Trump na decisão de transferir a embaixada de seu país para Jerusalém
Bolsonaro seguirá Donald Trump na decisão de transferir a embaixada de seu país para Jerusalém
Ricky Rocha Por Ricky Rocha 06/02/2020
    Compartilhe:

O presidente Jair Bolsonaro voltou a se comprometer em transferir a embaixada brasileira de Israel de Tel-Aviv para Jerusalém, uma promessa feita ainda durante a campanha eleitoral em 2018. Ele disse que a medida deve acontecer até 2021. 

"Estamos caminhando para isso. Não vou dizer [20]20, no máximo [20]21, se Deus quiser, vai nascer sem atritos", afirmou o presidente durante uma conversa com o pastor Silas Malafaia gravada em dezembro do ano passado e veiculada nesta segunda-feira (3) no canal do Youtube do líder religioso.

A declaração mostra uma nova mudança de postura do presidente, que havia suspendido a promessa de de transferir a embaixada e anunciado a abertura de um escritório comercial do Brasil em Jerusalém.

Durante a conversa com Malafaia, Bolsonaro conta como foi tomada a decisão sobre a mudança da representação diplomática.

Sem mencionar data, disse que estava em um carro de som em Goiânia (GO) quando foi alertado de que o presidente americano, Donald Trump, havia transferido a embaixada dos EUA de Tel-Aviv a Jerusalém.

"Tinha um cara lá com a bandeira azul, com o símbolo de Davi [estrela de Davi, símbolo do judaísmo] –é isso mesmo? O cara me trouxe a bandeira, eu peguei e falei que assumia esse compromisso publicamente. Não sabia dos problemas ainda", afirmou.

A mudança da embaixada é ponto sensível aos evangélicos, que são uma das principais bases de apoio do governo. Por outro lado, enfrenta a resistência dos militares, que deram amparo à eleição de Bolsonaro.

Na visão dos generais que integram o governo, ao levar a representação brasileira para Jerusalém, o presidente estaria assumindo um dos lados do conflito entre Israel e Palestina, já que a cidade é alvo de disputa -a decisão poderia ter implicações do ponto de segurança nacional.

Já na visão do Ministério da Economia e do Ministério da Agricultura, essa alteração terá impacto também nos negócios brasileiros no Oriente Médio. O Brasil é exportador de produtos para a região e tem na comercialização de carne uma das principais atividades na relação com países árabes. 

Durante a conversa com Malafaia, Bolsonaro minimizou o impacto da decisão. "Nós temos conversado com lideranças de países vizinhos [a Israel], falando que é uma questão interna nossa, não é para afrontá-los, é uma questão de entendimento nosso. Demos um grande passo há poucos dias [em dezembro de 2019], o Eduardo [Bolsonaro] com o Binyamin Netanyahu [premiê israelense], bem como o nosso almirante, presidente da Apex, inauguramos um escritório lá em Jerusalém. É lógico que foi dado mais um passo", disse.

A criação de um escritório comercial brasileiro em Jerusalém foi anunciada por Bolsonaro em abril de 2019, durante visita a Israel.

"O sentimento que eu tenho: todas essas conversas foram no reservado, Arábia Saudita, Qatar, Emirados Árabes, entre outros, só o intérprete ali. 'Olha, a situação é essa'. Só teve uma que achou que ficou meio assim, mas deu sinal verde. Os outros chefes de Estado todos falaram que é uma questão interna do Brasil", disse.

Bolsonaro viajou em outubro do ano passado para países árabes como Emirados Árabes, Qatar e Arábia Saudita.

Comente com o facebook

Publicidade